Bem vindo ao nosso site   •    
 

 Clima

 

 Notícias

Noticias Comércio Extrerior

13/10/2015

O BRASIL EXPORTOU 26,5 MILHÕES DE SACAS DE CAFÉ DE JANEIRO A SETEMBRO DE 2015

De acordo com relatório do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil - CeCafé, no período de janeiro a setembro de 2015, o País exportou 26,5 milhões de sacas de café de 60kg (verde, torrado & moído e solúvel) com receita cambial de US$ 4,577 bilhões. Pelo tipo do café exportado, o levantamento mostra que a espécie arábica de café verde correspondeu a 77,2% das vendas ao exterior; o café verde robusta a 12,8%; o solúvel a 9,8%; e o torrado & moído a 0,1%, no mesmo período.

Fonte: Gerência de Transferência de Tecnologia da Embrapa Café

 

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

PARA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS, QUEDA DA ECONOMIA ESTE ANO PODE CHEGAR A 2,97%

A projeção de instituições financeiras para a retração da economia continua a piorar. A estimativa para a queda do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, neste ano, passou de 2,85% para 2,97%, no 13º ajuste seguido. Para o próximo ano, a projeção passou de 1% para 1,20%. Essas projeções fazem parte da pesquisa feita pelo Banco Central (BC), todas as semanas.

Na avaliação do mercado financeiro, a produção industrial deve ter queda de 7%, este ano, contra a estimativa anterior de 6,5%. Para 2016, a projeção de retração passou de 0,29% para 1%.

A projeção para o dólar ao final do ano segue em R$ 4. Para o fim de 2016, a estimativa para a cotação da moeda norte-americana subiu de R$ 4 para R$ 4,15.

A estimativa do mercado financeiro para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) subiu pela quarta vez seguida, ao passar de 9,53% para 9,7%, este ano. Para 2016, no décimo ajuste seguido, a projeção passou de 5,94% para 6,05%.

As projeções para a inflação estão acima do centro da meta (4,5%). E no caso de 2015, a estimativa supera também o teto da meta (6,5%). Para tentar levar a inflação ao centro da meta em 2016, o Comitê de Política Monetária (Copom) elevou a taxa básica de juros, a Selic, por sete vezes consecutivas. Na reunião de setembro, o Copom optou por manter a Selic em 14,25% ao ano.

A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve como referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o BC contém o excesso de demanda que pressiona os preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Ao manter a Selic, o comitê indica que ajustes anteriores foram suficientes para produzir efeitos na economia.

A pesquisa do BC também traz a projeção para a inflação medida pelo Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI), que passou de 8,42% para 9,15%, este ano. Para o Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), a estimativa subiu de 8,34% para 9,15%, em 2015. A estimativa para o Índice de Preços ao Consumidor da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (IPC-Fipe) passou de 9,66% para 9,86%, este ano.

A projeção para a alta dos preços administrados passou de 15,55% para 16%, este ano, e de 6% para 6,27%, em 2016.

 

Fonte: Agência Brasil

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

PREOCUPAÇÕES COM BRASIL E EMERGENTES DOMINAM REUNIÃO ANUAL DO FMI

Preocupações com o Brasil e outros países emergentes marcaram a reunião anual do Fundo Monetário Internacional (FMI), que termina neste domingo em Lima, no Peru. A economia brasileira, que deve ter uma das maiores recessões entre os principais mercados mundiais, foi destaque negativo nos relatórios apresentados durante o encontro e nas reuniões das autoridades e analistas presentes em Lima, conforme noticiado pelo jornal O Estado de S.Paulo.

 

Fonte: O Estado de S.Paulo

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

REBAIXAMENTO DO BRASIL TEVE EFEITO 'DEVASTADOR' PARA EMPRESAS, DIZ LEVY

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse neste domingo, 11, que a aprovação do Orçamento de 2016 deve reduzir as incertezas na economia brasileira e o risco de rebaixamento do País por uma segunda agência de classificação de risco. "O downgrade, mesmo que por uma agência, teve um efeito devastador em várias companhias", disse o ministro, se referindo ao corte da nota brasileira para nível especulativo pela Standard & Poor's (S&P) no começo de setembro, conforme noticiado pelo jornal O Estado de S.Paulo.

 

Fonte: O Estado de S.Paulo

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

BRASIL RATIFICA LIVRE COMÉRCIO COM EGITO

O Senado Federal aprovou na quinta-feira (08) o acordo de livre comércio assinado entre o Mercosul e o Egito. O Brasil é o segundo País a ratificar o tratado após a nação árabe, que o promulgou em 2013.

De acordo com informações fornecidas pelo Itamaraty nesta sexta-feira (09), para que entre em vigor o acordo ainda depende de ratificação pelos parlamentos do Paraguai, Uruguai e Argentina, que integram o Mercosul. Segundo o Ministério das Relações Exteriores, o decreto legislativo pode ser publicado ainda neste sábado (10) no Diário Oficial da União, conforme noticiado pela ANBA.

 

Fonte: Agência Anba

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

OMC PERDE PODER NO COMÉRCIO GLOBAL

Na avenida que beira o imponente prédio da Organização Mundial do Comércio em Genebra, a segurança foi reforçada nos últimos meses. O parque que abriga a entidade à beira do Lago Leman foi praticamente fechado. Seguranças que trabalham no local ironizam: "Faz anos que não vemos um protesto aqui contra a OMC".

Símbolo por décadas do liberalismo comercial, a OMC hoje está ameaçada não por grupos antiglobalização, sindicatos ou agricultores protecionistas da Europa. O risco vem dos governos que, nos últimos anos, mudaram suas prioridades e, de forma silenciosa, abandonaram a organização, conforme noticiado pelo jornal O Estado de S.Paulo.

 

Fonte: O Estado de S.Paulo

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

ENCONTRO EMPRESARIAL BUSCA AUMENTAR COMÉRCIO BRASIL-COLÔMBIA

Nesta sexta-feira (9), a presidente Dilma Rousseff, juntamente com o Presidente da Apex-Brasil, David Barioni, participaram do Fórum Empresarial Brasil-Colômbia, em Bogotá. O evento é promovido por uma parceria entre o Departamento de Promoção Comercial e Investimentos do Ministério das Relações Exteriores, pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil), conforme noticiado pela Apex-Brasil.

 

Fonte: Apex-Brasil

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

LIBRA TERMINAIS RETOMA OPERAÇÕES DE CARGAS DE TRANSBORDO

A Libra Terminais retomou na quinta-feira (8) seu atendimento a navios com carga de transbordo (cuja mercadoria é descarregada para posterior reembarque em outro cargueiro), com a escala do Log-In Jacarandá, conforme noticiado pela Tribuna Online.

 

Fonte: A Tribuna

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

FISCAIS AGROPECUÁRIOS PLANEJAM NORMALIZAR INSPEÇÕES

Os fiscais federais agropecuários que atuam no Porto de Santos pretendem terminar nesta sexta-feira(9) de inspecionar as cargas retidas durante a greve da categoria, normalizando a operação. A paralisação afetou a vistoria de mercadorias de origem animal e vegetal entre o dia 17 de setembro e sexta-feira passada. Quando o movimento terminou, cerca de 10 mil contêineres aguardavam inspeção o cais santista, conforme noticiado pela Tribuna Online.

 

Fonte: A Tribuna

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

MONTEIRO: RELAÇÃO COMERCIAL ENTRE BRASIL E COLÔMBIA ALCANÇA NOVO PATAMAR

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, afirmou que com a visita da presidenta Dilma Rousseff à Colômbia, a relação comercial entre os países alcança um novo patamar. Segundo Monteiro, a assinatura do Acordo de Cooperação e Facilitação de Investimentos (ACFI) e do Acordo Automotivo, bem como a negociação de acordo de serviços e compras governamentais, traz grandes oportunidades para o Brasil.

"A nossa expectativa é oferecer um ambiente institucional mais propício para a internacionalização das nossas empresas, estabelecendo mecanismos adequados para mitigação de riscos, prevenção de controvérsias e melhoria da governança para os investidores", afirmou Monteiro, em discurso no encerramento do Encontro Empresarial Brasil-Colômbia.

O ACFI tem como objetivo apoiar a internacionalização das empresas brasileiras e contribuir para a melhoria do ambiente de investimentos. É a primeira vez que o Brasil conclui este tipo de acordo com um país da América do Sul. O Brasil já firmou ACFIs com México, Angola, Moçambique e Maláui. O Plano Nacional de Exportações tem como meta a assinatura de ACFIs com Chile, Peru, República Dominicana, África do Sul, Argélia, Tunísia, Marrocos e Nigéria.

De acordo com Monteiro, Brasil e Colômbia farão um esforço mútuo para a redução de barreiras tarifárias e não-tarifárias nos diversos segmentos da atividade econômica. Além do ACFI, o ministro destacou o descongelamento do cronograma de desgravações, no âmbito do Acordo de Complementação Econômica (ACE-59), que já alcançou os setores têxtil e siderúrgico, e que alcançará em breve o setor de plásticos.

Acordo Automotivo

Brasil e Colômbia também firmaram o Acordo Automotivo, que segundo o ministro, se constitui em um marco extremamente relevante e indicativo do firme propósito dos dois países em avançar no plano comercial. O acordo vai zerar as alíquotas do Imposto de Importação para automóveis de passageiros e comerciais leves de até 3,5 toneladas e prevê a concessão de 100% de preferência para os veículos dos dois países, com cotas anuais crescentes, gerando crescimento e empregos diretos e indiretos no setor automotivo.

O Acordo envolveu a definição de cotas crescentes de exportação. No primeiro ano, a cota de exportações será de 12 mil unidades, no segundo ano, de 25 mil unidades, e a partir do terceiro ano, 50 mil unidades. O prazo de vigência do Acordo é de 8 anos, podendo ser prorrogado nos termos definidos para o terceiro ano.

As negociações do setor automotivo devem ser retomadas em 2016 para negociação das condições de acesso àquele mercado para veículos de carga e ônibus. O mercado colombiano é de cerca de 300 mil veículos e, atualmente, as exportações brasileiras de automóveis e comerciais leves para aquele país, em 2014, foi de pouco mais de 10 mil unidades, o que o coloca como 9º maior exportador de veículos para a Colômbia.

"Esse acordo oferecerá a possibilidade do rápido incremento das exportações de ambos os lados nesse segmento. Os nossos consumidores serão beneficiados com uma maior oferta e os avanços tecnológicos e de qualidade gerados pela indústria automobilística de nossos países, que são consideradas de classe mundial", afirmou o ministro.

"Além disso, lançamos negociações inéditas em compras governamentais. Queremos registrar ainda que estamos prontos para avançar no sentido de concluir o Acordo Mercosul-Colômbia no setor de Serviços, segmento da atividade econômica dos nossos países, que tem assumido uma posição de crescente protagonismo", disse Monteiro.

"Quero parabenizar os brasileiros pelo grande ministro que têm. Desde que entrou, esteve aqui duas vezes e logramos avançar na nossa relação comercial mais do que em muitos anos", afirmou a ministra do Comércio, Indústria e Turismo da Colômbia, Cecilia Álvarez-Correa.

 

Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

SECEX ENVIA MISSÃO TÉCNICA AO REINO UNIDO E UNIÃO EUROPEIA PARA IDENTIFICAR FORMAS DE AUMENTAR OS FLUXOS COMERCIAIS

Para identificar as melhores práticas no processo de monitoramento de barreiras não tarifárias, e ampliar a interlocução entre governo e setor privado, ações que fazem parte do Plano Nacional de Exportações do MDIC, técnicos do governo brasileiro reuniram-se, esta semana, com representantes do governo britânico, em Londres, na Inglaterra, e da Comissão Europeia, em Bruxelas, na Bélgica. A missão também incluiu visitas técnicas e encontros com especialistas do setor privado e de universidades. Foram, ao todo, reuniões com 22 áreas de 9 instituições diferentes.

Em Londres, os especialistas brasileiros em barreiras não-tarifárias participaram de reuniões com representantes do Ministério de Negócios, Inovação e Treinamento (BIS), com a Agência de Comércio e Investimentos do Reino Unido (UKT&I), com o Instituto Britânico de Normas (BSI), além da Confederação Britânicas das Indústrias (CBI), Câmaras Britânicas de Comércio (BCC), e com especialistas das Universidades de Sussex e de Londres. Em Bruxelas, foram realizadas reuniões com técnicos das Diretorias-Gerais de Comércio (DG Trade) e de Crescimento (DG Growth) da Comissão Europeia.

A missão é uma atividade do projeto "Brazil Trade Efficency", implementado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e a Embaixada do Reino Unido. O objetivo é aprimorar o processo de identificação e tratamento de barreiras não-tarifárias e aumentar a eficiência do acesso a mercados. A missão foi realizada com recursos do Prosperity Fund, fundo britânico que financia projetos de países em desenvolvimento e que já patrocinou, no Brasil, iniciativas como o Portal Capta, Sistema de Consultas sobre tarifas, Regras de Origem e Serviços dos Acordos Comerciais Brasileiros, implementado pela Secex.

 

Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

MONTEIRO: APROXIMAÇÃO ENTRE MERCOSUL E BACIA DO PACÍFICO É DE INTERESSE DOS DOIS BLOCOS

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro, defendeu nesta sexta-feira, em Bogotá, a ampliação das parcerias entre Brasil e Colômbia com a criação de mecanismos de facilitação das relações comerciais.

Monteiro participa do Fórum Empresarial Brasil-Colômbia, promovido pelo MDIC, Ministério das Relações Exteriores e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). Na pauta, as oportunidades de investimentos e a ampliação dos negócios entre os dois países.

"Há um potencial extraordinário, há uma complementariedade nas economias e eu acho que essa visita da presidenta vai marcar um novo momento nas relações", disse o ministro, que acompanha Dilma Rousseff em visita de Estado à Colômbia.

O ministro salientou a necessidade de uma maior aproximação entre os países que compõem o Mercosul e os países sul-americanos da Bacia do Pacífico. "Esse relativo afastamento que existia aqui na América do Sul entre esses dois blocos, eu acho que o nosso desafio é construir exatamente essa ponte, no interesse dos dois blocos", frisou.

Entre algumas das medidas para intensificar o comércio bilateral, Armando Monteiro destacou a iminente assinatura de acordo entre Brasil e Colômbia com vistas a fortalecer o mercado automotivo entre os países. O acordo prevê, por exemplo, o estabelecimento de uma cota de veículos que terão tarifa de importação zerada. "Olhando as exportações brasileiras, nós temos um imposto de importação elevado aqui", observou Armando Monteiro.

O ministro também afirmou que haverá um esforço para acelerar o processo de desgravação do comércio entre Brasil e Colômbia, que reduz progressivamente as tarifas de importação até que cheguem a zero.

"O grande desafio é descongelar o cronograma de desgravação e esperamos antecipar esse movimento de tal modo que o comércio esteja integralmente desgravado até 2017. Nossa expectativa é que isso possa começar ainda este ano, nos mais diferentes setores, atingindo um nível de cobertura muito expressivo em relação a todo o volume de comércio", afirmou.

 

Fonte: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

COM ASSINATURA DE PROTOCOLO, BRASIL DEVE AMPLIAR EXPORTAÇÃO DE TRIPAS PARA A RÚSSIA

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e o Serviço Federal de Vigilância Veterinária e Fitossanitária da Rússia (Rosselkhoznadzor) assinaram nesta sexta-feira (9) protocolo que viabilizará a habilitação de ao menos 74 plantas brasileiras exportadoras de tripas.

Desde o ano passado, essas empresas estão impedidas de vender seus subprodutos de carne à Rússia devido a novos requisitos técnicos estabelecidos pelo país europeu. Com o documento assinado pelo secretário de Defesa Agropecuária do Mapa, Décio Coutinho, o Brasil passa a aceitar as exigências russas, abrindo caminho para que as 74 plantas brasileiras retomem suas vendas.

A assinatura do protocolo ocorreu em Moscou, durante a 5ª Reunião de Ministros da Agricultura e do Desenvolvimento Agrário do Brics - bloco formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

"Com essa assinatura, queremos restabelecer as 74 plantas como exportadoras e ampliar esse número, oferecendo mais uma oportunidade de negócio aos nossos produtores", destacou Décio Coutinho, acrescentando que o protocolo assinado entre Brasil e Rússia deverá ser ampliado ao Mercosul e à União Euroasiática.

Trigo

A ministra Kátia Abreu e o ministro da Agricultura da Rússia, Alexander Tkachev, assinaram uma Instrução Normativa que facilita a importação de trigo russo pelo Brasil, que compra anualmente cerca de 6 milhões de toneladas do produto.

O trigo da Rússia, apesar de estar autorizado a entrar no Brasil, enfrentava dificuldades de acesso ao processamento nos portos, o que inviabilizava a venda. "Retirando esse requisito específico previsto nas nossas normas, facilitamos o processo e agora realmente poderá haver comércio de trigo da Rússia para o Brasil", explicou o secretário Coutinho.

Pescados

Em relação à importação de pescados russos, a secretária de Relações Internacionais do Agronegócio do Mapa, Tatiana Palermo, afirmou que um relatório preliminar deverá ser apresentado pelo Brasil ainda em novembro, possibilitando, pela primeira vez, a importação do produto.

"Assim que o mercado for aberto, os russos também usarão o protocolo de prelisting, a exemplo do que fazemos com nossa carne exportada", ressaltou Tatiana Palermo.

Agilidade

A secretária disse que o Brasil está vivendo "um momento especial" em sua relação comercial com a Rússia. "Os próprios russos reconhecem que há uma agilidade inédita na interlocução entre os dois ministérios", comemorou a secretária. "Basicamente limpamos nossa pauta com o país."

 

Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

NOVAS PROJEÇÕES DA ANFAVEA PREVEEM ESTABILIDADE DAS VENDAS

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores, Anfavea, revisou na terça-feira, 06/10, em São Paulo, suas projeções para licenciamento, produção e exportação em 2015. A expectativa indica que haverá estabilidade nas vendas nos últimos três meses deste ano ao considerar que o ritmo de julho a setembro será mantido. As exportações tiveram seus números revisados para cima e deverão alcançar dois dígitos: a estimativa é de alta de 12,2%. Para o segmento de máquinas agrícolas e rodoviárias, o setor acredita em uma redução das vendas em 32%, além de retração de 29,8% na produção e de 26,2% nas exportações.

Fonte: Diretoria de Assuntos Institucionais e Imprensa da Anfavea

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

MINISTRA INAUGURA ESTANDE BRASILEIRO NA EXPOSIÇÃO OUTONO DOURADO

A ministra Kátia Abreu (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) inaugurou nessa quinta-feira (8) o estande do Brasil na 17ª Exposição Agroindustrial "Outono Dourado", em Moscou. Entre os produtos brasileiros expostos na capital russa, estão o café e o chocolate.

A cerimônia de inauguração teve presença da delegação brasileira que acompanha a ministra durante a viagem à Rússia: o senador Acir Gurgacz (PDT-RO), o presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Maurício Lopes e o presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Norte, José Vieira, além do embaixador do Brasil no país, Antônio Guerreiro.

 

Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

PARA DESTACAR POTENCIAL DE NEGÓCIOS EM MINAS, FIEMG PROMOVE MISSÃO PARA A EXPO MILÃO

A FIEMG, em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (APEX Brasil), Governo de Minas Gerais, Codemig e Câmara Italiana de Minas Gerais, realizará na Itália o Projeto Minas Expo Business entre os dias 15 a 25 de outubro, durante a Exposição Universal de Milão 2015 (Expo Milão). A iniciativa liderada pelo setor produtivo ressalta o grande leque de oportunidades para as duas regiões. As ações principais são o Projeto Imagem e a Missão Empresarial e de Atração de Investimentos. O Projeto Imagem tem o intuito de promover o estado como potencial parceiro comercial na Europa por meio de uma exposição dentro do Pavilhão do Brasil na Expo 2015, no período de 15 a 25 de outubro. O foco principal da ação é apresentar as potencialidades da indústria mineira, com foco nos setores de alimentos e bebidas, tecnologia, moda e turismo de negócios e gastronômico. Já a Missão Empresarial será realizada entre os dias 12 e 18 de outubro, objetivando estimular e promover oportunidades de negócios.

Fonte: Assessoria de Imprensa do Sistema FIEMG - Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais

 

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

BRASILEIROS APRESENTAM LANÇAMENTOS DE MATERIAIS NA ALEMANHA

Atentos às oportunidades comerciais na Alemanha, o segmento de materiais para calçados, couros e artefatos brasileiro marcará presença na próxima edição da A+A Dusseldorf - que ocorrerá de 27 a 30 de outubro. A iniciativa é mais uma promoção do Footwear Components by Brasil - projeto da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) em parceria com a Associação Brasileira de Empresas de Componentes para Couro, Calçados e Artefatos (Assintecal), conforme noticiado pela Apex-Brasil.

 

Fonte: Apex-Brasil

 

 

Ficamos a Disposição.

 

Saudações,

Fatima Schepers

Secretaria - SINDAESC

Fon. 47 3241-4080.

Fax. 47 3241-4070.

Skype - Fatima Schepers

E-mail: administrativo@sindaesc.com.br

E-mail:secretaria@sindaesc.com.br

 

Registro MTE - http://www3.mte.gov.br/sistemas/CNES/usogeral/HistoricoEntidadeDetalhes.asp?NRCNPJ=08345560000190

•  Veja outras notícias
 

 Contribuições

Faça emissão das suas contribuições on-line

Emitir contribuição
 

 Associe-se

Não perca mais tempo e seja nosso associado

Veja mais
 

 Links

Veja alguns links úteis que separamos

Acessar links
SINDAESC
Rua Capitão Adolfo Germano de Andrade, 37 - Sala 07
CEP: 88304-020 - Centro - Itajaí / SC
Telefone: (47) 3241-4080   /   Filial São Francisco do Sul:  (47) 3444-3354   /   Filial Joinville: (47) 3435-8431
E-mail: secretaria@sindaesc.com.br - financeiro@sindaesc.com.br